O Rio Douro atravessa a mais antiga Demarcação Vinícola do mundo, a Região Demarcada do Douro, datada de 1756. Foi criada no reinado de D. José I pelo seu ministro Marquês de Pombal. Também conhecida como 'País Vinhateiro', estende-se ao longo do Douro Valley desde Barqueiros - Mesão Frio até Barca D'Alva dividindo-se em três 'zonas' o Baixo-Corgo, Cima-Corgo e Douro Superior.

Nasce na Serra de Urbión nos Montes Cantábricos em Espanha e desagua no Oceano Atlântico no Porto em Portugal. O seu nome Douro tem diversas origens. Uma delas provém do Celta dur, que significa água. Outra diz que nas encostas escarpadas existiu em tempos longínquos pepitas de ouro, daí o nome de + ouro. Já outra versão que deriva do latim Durius, ou seja duro, devido à dureza dos seus contornos, à sua sinuosidade, rochas salientes, caudais violentos e águas rápidas que tornavam este rio indomável.


Com a construção das barragens nos anos cinquenta e sessenta o rio ficou definitivamente domado criando albufeiras de águas tranquilas, de realçar a barragem do Carrapatelo que é uma das maiores do mundo, pois vence um desnível de 36 metros de altura. É o único Rio Ibérico com um sistema de eclusagem que permite a sua navegabilidade em cerca de 200 Kms, desde o Porto até Barca D'Alva, fazendo fronteira com o Douro Internacional.


As seculares tradições da cultura do Vinho, Oliveira e da Amendoeira e o trabalho realizado pelo homem na construção de milhares de quilómetros de muros em xisto, ao longo das encostas do Rio criou uma paisagem de beleza excecional. Devido a esta autenticidade e Integridade da paisagem cultural a UNESCO elevou em 2001 o Alto Douro Vinhateiro a Património da Humanidade.